quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Na terra de Oz

Como todos sabem, Dorothy acordou e voltou para casa, afinal “There is no place like home”. Contudo, há alguns dias a garota resolveu enviar ao grande Feiticeiro uma carta que chegou às minhas mãos. Fiquei tão comovida com a situação que resolvi compartilhar. Assino embaixo e peço ao grande Feiticeiro que atenda ao pedido de Dorothy.

“Prezado, soberano e grande amigo Oz,
Estou organizando uma viagem com o intuito de voltar à Cidade das Esmeraldas e trilhar mais uma vez a estrada de tijolos amarelos para te encontrar.

Da primeira vez, o senhor deve ser lembrar, encontrei grandes amigos: o Leão Covarde, o Homem de Lata e o Espantalho. Apesar dos nossos defeitos e medos, conseguimos cumprir a jornada.

Lembro-me tão bem de quando o Espantalho, ao levar o primeiro tombo do dia, depois de tropeçar numa pedra, foi questionado pelo Homem de Lata:
- Por que não pulou a pedra?
- Não tenho cérebro. No lugar dele, apenas palhas. Por isso não raciocino direito. Espero ganhar um cérebro do Grande Oz.

Fiquei muito triste pelo Espantalho e mais ainda com o que nos contou o Homem de Lata logo em seguida.

- Para mim, cérebro tem pouca importância - disse ele.
- Ah! Isso é porque deve ter um bom cérebro – apressou-se o Espantalho.
- Não. Minha cabeça é completamente oca. Mas já tive cérebro e coração. E, por ter experimentado os dois, prefiro mil vezes o coração.
Então ele contou a história de amor que viveu no passado e que, por ser então um homem de lata, não poderia nem mais chorar o seu fim. Tudo começou quando a moça que ele amava contou à velha bruxa, sua patroa, que iria se casar. Raivosa, a bruxa tirou do jovem apaixonado uma das pernas. Desesperado, ele foi ao funileiro que lhe fez uma perna de lata tão boa quanto a natural. Inconformada, a bruxa ordenou ao machado mágico que o retalhasse pouco a pouco, até que ele foi inteiramente refeito em lata.
- Pela quarta vez o bom funileiro me reconstituiu todo em lata. Mas, para a minha tristeza, não fez coração! Sem coração, perdi todo o amor pela moça. Então, desmanchei o noivado - narrou.
Eu fiquei admirada e percebi que o Homem de Lata havia perdido uma das coisas mais importantes da vida, o amor.
- Você tem razão. Por outro lado, passei a sentir orgulho do meu novo corpo, resistente ao golpe de machado e brilhante em dias de sol. Hoje, só temo a ferrugem. Por isso, ando sempre com a lata de óleo para lubrificar minhas juntas - respondeu-me.
- Por que quer um coração? - perguntei.
- Ora! Pretendo me apaixonar de novo - disse o Homem de Lata.

O Leão Covarde, pobrezinho, venceu um monstro adormecido. Os animais da floresta não perceberam que o grande inimigo estava em sono profundo e elegeram o Leão como rei da floresta, quando, na realidade, ele temia até a si mesmo.

Todos, querido Oz, vivem felizes. Ficaram satisfeitos com os presentes que você lhes deu. O Espantalho virou intelectual. Na última vez que soube dele, era professor convidado em Harward, ilustre nos assuntos mais importantes da humanidade. O Homem de Lata casou-se com a jovem que por muito tempo sofreu sem o seu amor. Semana passada ele enviou-me foto do terceiro filho que nasceu há alguns dias. Eu voltei à minha casa e por um longo tempo fiquei muito feliz com o retorno.

Mas eu cresci, estudei. Hoje trabalho, tenho amigos, mas um problema muito maior do que estar longe de casa. Conheci novas pessoas, novos amigos, tive amores. Mas sabe o que descobri? Hoje em dia, os homens não são como os amigos que encontrei em Oz, eles são completos: São Homem de Lata, Espantalho e Leão Covarde, todos ao mesmo tempo, todos na mesma pessoa.

Feiticeiro, meu grande amigo, consegue ver meu problema? Eles não tem coração, não raciocinam e são medrosos. Eles não amam, não pensam duas vezes ao fazer alguém sofrer e quando amam são covardes demais para admitir.

Eu, que sou feita de carne, que tenho coração, sentimentos e coragem para admiti-los, que não tenho medo de chorar para não enferrujar, ando cabisbaixa, sofrendo como nunca imaginou quem ouviu a minha história de grandes aventuras pelo caminho dos ladrilhos amarelos.

Espero que compreenda o tamanho de meu problema e possa ajudar-me. Aguardo ansiosa o seu contato para marcarmos a data da viagem.

Com estima, faço votos de vê-lo em breve,

Dorothy”

12 fizeram a Carol feliz...:

Daniel Savio disse...

Hua, kkk, ha, ha, realmente os homens problematicos, mas as vezes as Dorotys que encontramos pela a vida não ajudam...

Estranhamente, lembrei daquela propaganda compre três e pague um.

Fique com Deus, menina Carolina Filipaki.
Um abraço.

Déia disse...

Acho q vou tb nessa viagem, quero dar um blá com esse tal mágico de oz! kkkkk
adoro sua criatividade!
bj

PÉS DESCALÇOS disse...

Ahh, Carol... Espero mesmo, que encontres o Feiticeiro e ele te ajude a entender o porquê do comportamento destas pessoas - pois hoje, devemos generalizar; que há não apenas homens, mas mulheres também que não amam, não pensam duas vezes e ainda sente prazer em destruir.

Adorei o texto!

Daiane Kalatai disse...

Carol.. Adorei conhecer seu blog.. Entro sempre que posso.. Esse texto é 10, e pelo jeito terá uma excursão de pessoas para ver o tal mágico.. hahaha.. Parabéns pelo blog.. Adorei.. Beijosss

Deia disse...

Carol, coitada da Dorothy! Espero mesmo que a nova visita ao Mundo de Oz resolva os seus problemas, porque por aqui, ela terá dificuldade em encontrar outros tipos de homens!! rsrs! Beijos, que texto mais rico! Deia.

Larissa Bortolli Menezes disse...

Acho que a Dorothy e mais da metade das mulheres no mundo sofrem com o mesmo problema. rsrsrs
Se o Oz resolver, me avisa. Vou me arriscar a visitá-lo.

Michele Mitsue disse...

Putz, outro filme pra minha lista. Realmente, não tive infância!

VELOSO disse...

Só se for uma viagem espacial!

Thiara Pagani disse...

Preciso de uma viagem dessas, como a viagem de Dorothy!
Gostei muito daqui.

PAULA OLIVEIRA disse...

Ahhh, eu adoro vir aqui, sabia?
Você escreve muito bem!

wcastanheira disse...

UM BELO TEXTO, COM CERTEZA DE UMA ESCOLHA MUITO FELIZ, GOSTEI DE PASSEAR POR AQUI, UM ESPAÇO ACOMCHEGANTE, ONDE A BOA LEITURA FLUI, PASSEIA CONOSCO, PRA VC MINHA LINDA BJOS, BJOS E BJOSSSSS

Maris Morgenstern disse...

Oie.
Desnaturada que sou perdi seu aniversário né. Vc pode me perdoar? rs.
Andei pensando em Doroty, e acho q tudo q ela precisa é de um antidepressivo mais mais forte, sei lá, pacotes completos são tão sem graça