quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Dê tempo ao tempo

Passa, tudo passa.
Passa o conselho,
Passam as lágrimas,
Passa o passo,
Passo o poste,
Passa a posse.
Passa o que posso.
Passa o que penso.
Passado já passou.
Futuro não chegou.
Passou o amor,
Passou e não parou.

10 fizeram a Carol feliz...:

Daniel Savio disse...

Mas passa a tristeza, passa a magoa, passa a tristeza...

Fique com Deus, menina Carol.
Um abraço.

Priscila Rôde disse...

Tudo passa!
Um beijo.

Maris Morgenstern disse...

passo eu por aqui

Luciana Guimarães disse...

Assim como as coisas boas, as ruins também passam... bjs

Déia disse...

um poema tão lindo... e me veio na mente.. até uva passa.. olha que grosseria!

Querida, rsrsrs desculpe, eu adorei o poema, mas é que hj tô com a macaca!!

bj

fernando disse...

Gostei do ritmo do poema, em alguns momentos me lembrou a perspectiva adotada pelo velho Bandeira em seu "Trem de Ferro".
Embora haja a repetição da palavra "Passa", com uma espécie de anáfora, a repetição traz um movimento impressionante ao texto.
Quanto ao amor, este parece há muito tempo , não residi da mesma maneira em duas pessoas, criando uma realção mútua, talvez seja esta a "bruta flor do querer", cantada por Caetano.
www.neuroticoautonomo.zip.net

Paula disse...

passar não é mesmo o grande problema. o negócio é não parar.
saudades daqui!

Michele Mitsue disse...

Terminaram as férias né broto! Graças a deus, tava com saudades.

Beijos e um feliz 2010!

Diangela disse...

Muito bom, Carol!
Sempre sensível, a d o r e i ;]

Maris Morgenstern disse...

quero chocolate