quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Minhas ciências ocultas

De dicionário aberto, empenho-me em algumas leituras. Se ele é o ‘Pai dos Burros’, sou eu, então, uma burrinha?

Descobri que “lato” não é o cachorro conjugando o verbo latir. Significa amplo, vasto.

“Afasia” não é um erro na frase “ela a fazia com dedicação”. É a perda da capacidade de compreender a linguagem escrita ou falada. Pensando bem, talvez eu tenha afasia, afinal, tenho grandes dificuldades em compreender o que dizem Nietzsche e seus companheiros.

“Concatenação” não é nada mais que uma palavra difícil para dizer ligação, nexo.

Heuréka! Se você descobriu algo, acaba de praticar a “heurística”. (Será ela praticável? É um verbo? Um substantivo? Descobri! Substantivo feminino])

Mesmo as palavras que eu achava que sabia, na verdade (mas o que é a verdade?), têm outro significado. Não lembrava mais que “estela”, além de ser também um nome próprio que acho bonito, é uma coluna, pedra ou pedaço de madeira destinado a ter inscrições.

Suspiro... Quanto mais eu leio textos técnicos, mais eu tenho noção do tamanho da minha ignorância, se é que é possível medi-la. Há alguma área do conhecimento que a mensure?

Para mim, ciências ocultas não são aquelas cujo conhecimento não é revelado a qualquer um, como a alquimia, mas todas aquelas que se escondem atrás da minha falta de saber.

2 fizeram a Carol feliz...:

Mel disse...

Nada se compara ao tamanho da minha decepção ao descobrir o significado de bucólico, meu professor de literatura sempre dizia isto e eu achava que fosse algo triste. Ao menos, nunca mais esquecerei que se refere a algo campestre. Tudo a ver... haha

Beijos.

Mari disse...

Eh Carol e seus maravilhosos textos!!! orgulho desta menina...kkkk
ah, só pra descontrair... Estela é nome de uma cerveja também...kkkkkk